Blog

o silêncio que impomos a nossa Deusa interior

MOVA

Eu vejo o yoga como uma estrada contínua para o autoconhecimento, desde o início satya (verdade) me acompanha nesse processo. Entender como a energia feminina - intuitiva e cíclica se apresenta, é praticar ahimsa (não violência). Respeitando meu ciclo, meu corpo. Aprendi a desacelerar quando o ritmo imposto pela sociedade viola o meu ritmo e respiro, para mais uma vez não me violentar como em outros momentos. Nesse processo entendi que as bases da sociedade (o patriarcado) têm suas armas e, que muitas vezes fiz uso delas pelas lutas que compreendo como justas e estas mesmas armas me feriram. Sigo nessa estrada aberta aos novos aprendizados. É importante compreender que ambas as energias fluem em nossos corpos - a feminina e a masculina, equilibra-las é o caminho.



A pandemia me forçou a olhar para coisas que nem imaginava como desafios, a exemplo desse equilíbrio energético entre o masculino e o feminino em nós. Das forças que habitam em mim a masculina sempre foi mais perceptível. Me identificava pouco com a força do feminino.

Da infância até boa parte da vida adulta os melhores amigos que tive eram quase todos homens, com a raríssima exceção de duas mulheres, que considero poderosíssimas. Então, por mais duas vezes eu vivenciei a maternidade e os véus descortinaram, com uma boa jornada de autoconhecimento, a ponto de trazer essa reflexão aqui.

As duas crianças caçulas trouxeram para minha vida diária uma roda de amigas, mulheres imperfeitas que buscam vivenciar a maternidade com amor e sem culpa, fazendo o seu melhor para os filhos e aprendendo a reconhecer seus limites. Sem romantiza-la. Entre nós desabafamos as dificuldades em manter o equilíbrio entre cuidar dos filhos, rotina da casa, trabalho e nossos sonhos. Sim, nossos sonhos, só nossos. Nossa realização pessoal!!

Tenho também um grupo com quatro professoras mulheres, fizemos a formação juntas, conversamos algumas vezes trocamos ideias. Antes da pandemia conversávamos umas com as outras em separado, até nos reunimos nesse grupo. Por lá trocamos figurinhas, falamos das nossas descobertas com yoga, rimos dos nossos sotaques e também nos incentivamos nessa jornada na busca pelos nossos SONHOS!!

A pandemia é um desafio individual e coletivo, ter essas mulheres ao meu lado a tornou leve. Nesses pequenos grupos podemos ser nós mesmas, rir, compartilhar nossas dores, sem julgamentos. Nos olhamos com ternura, somos revolucionarias de nós mesmas, fazendo pequenas revoluções gentis no mundo. Sem violência (ahimsa), cultivando a verdade conosco (satya), evoluindo do “ter” para “ser” (asteya), refletindo sobre nossa sexualidade (brahmacharya), buscando o essencial e a simplicidade (aparigraha). Ainda que inconsciente para algumas, caminhamos no yoga, dentro dos princípios éticos do Raja Yoga de Patanjali, um dos textos fundamentais do yoga.

Agora vem comigo sentir a sua força feminina, reverenciar a sua deusa interior em Devyasana – postura da Deusa. Devi se refere ao feminino, a força criadora, à Mãe natureza. A prática da postura ensina como manifestar nossa força pessoal com suavidade.

Passo 1: Pernas separadas a mais ou menos 1 metro de distância, pés girados para fora 45º, enraíze os 04 cantos das solas dos pés.

Passo 2: Expire descendo com quadril encaixado, ativando a musculatura anterior da coxa. Mantenha seu abdômen ativo para proteger a lombar.

Passo 3: Inspire elevando seus braços, mantendo as ativações do passo 2.


Passo 4: Expire descendo seus braços, flexionando-os em um ângulo de 90º. Mantenha se na postura de 03 a 06 respirações lentas e profundas, conscientes.


Prakriti, a mãe natureza, se manifesta como Saraswati – a deusa da sabedoria e da criatividade, Lakshmi – a deusa da abundância, beleza e saúde e Durga – a deusa transformação, força e proteção. Essa pose também é conhecida em sânscrito por Utkata Konasana – Utkata: feroz ou poderoso; Kona: ângulo; Asana: postura. O anjo feroz ou posar da Deusa.

A postura da Deusa energiza o corpo, ativa os três primeiros chakras – o básico, sacro e plexo solar - e nos conecta com a energia feminina que está ao nosso redor.

 

Benefícios físicos

- Estabiliza tornozelos, joelhos e quadris;

- Facilita o retorno venoso das pernas;

- Melhora as funções dos sistemas reprodutivo e urinário;

- Auxilia com constipação

 

Contra- indicações

- Lesões no quadril, joelho e tornozelo.


pra acompanhar o trabalho dessa deusa acesse instagram.com/imirabrito
as fotos das posturas são da instagram.com/msc_bruna

seja D E M O D Ê !

venha fazer parte de uma moda
que respeita seu corpo e a natureza,
direto do Nordeste do Brasil :)